Painel Principal  :  Notícias (Histórico)  :  Eneida localiza p...
Notícias - Histórico
 
  Aceleradora  
  Formação   Geral   Incentivos   Incubadora   Notas de Imprensa   Prémios   Transf. Tecnologia e PI  
 
Eneida localiza pessoas e veículos em tempo real
 
Nasceu no Alentejo, onde se mantém até hoje, mas há três anos fixou uma delegação em Coimbra. Aqui são desenvolvidas soluções na área da manutenção, eficiência energética, ambiente/deteção e controlo de emissões, segurança e localização de ativos.

Quem não se lembra dos mineiros que ficaram soterrados nas minas do Chile no início deste ano? Durante algum tempo houve a dúvida do sítio exato onde eles se encontravam. Ora, é para resolver problemas como este (de segurança) que a Eneida ? empresa de engenharia especializada em instrumentação, energia e comunicações ? desenvolve módulos de comunicação e sensores inteligentes como a localização de ativos em tempo real. ?Sejam pessoas ou veículos, por exemplo a 700 metros de profundidade?, explica ao DIÁRIO AS BEIRAS João Lopes, diretor de marketing da empresa.

Começou a dar os primeiros passos no Alentejo, em 2006, na área da instrumentação, automação, eletricidade industrial e eletrónica mas logo surgiu uma nova área de negócio: área das
soluções industriais.

Ligação ao ensino
Com o objetivo de desenvolver essa nova linha de trabalhos ? e
pela existência de uma ligação à Universidade de Coimbra, ?em projetos de investigação e protocolos?? a Eneida fixou-se, há três anos, na incubadora do Instituto Pedro Nunes, em Coimbra. Aqui são 18 os recursos humanos, 14 deles envolvidos em ações permanentes de desenvolvimento de produtos e soluções. A eles juntam-se anualmente alunos da universidade ou do Instituto Politécnico de Coimbra que aí desenvolvem estágios curriculares ao longo do ano letivo ou estágios de verão.
A indústria mineira é apenas um dos setores profissionais onde marca presença. A sua ação passa pela grande indústria, ou como é comummente conhecida, pela indústria pesada tais como a energia química, mineira, pasta e papel, cimenteira, naval, entre outras. E por isso os módulos de comunicação e sensores ?são muito robustos e resistentes à água, ao pó ou mesmo a vibrações quando colocados em ambientes de trabalho muito agressivos?, afirma o responsável.

Inteligência levada ao extremo
Manutenção, eficiência energética, ambiente/deteção e controlo de emissões, segurança e localização de pessoas e veículos são algumas das áreas de influência desta empresa. Aqui a inteligência é levada ao extremo. Os sensores desenvolvidos
adquirem variáveis críticas e os módulos fazem a comunicação
de forma a haver centralização da informação. ?As máquinas
podem ser pré-formatadas de forma a desenvolver determinados tipos de soluções?, atesta. Dessa forma, evita-se que a máquina chegue efetivamente a avariar e, consequentemente, pare de cumprir a sua função. Para que isso não aconteça, a
informação é ainda enviada em tempo real, para os responsáveis
de determinada empresa, que têm acesso à mesma num sítio
central, se assim o entenderem, ou é ainda disponibilizada virtualmente em qualquer parte do mundo, através da internet, por exemplo. Os clientes da Eneida podem também receber alertas no telemóvel caso surja algum problema. Esta ?é uma forma de evitar, na realidade, que a máquina pare em determinados períodos de tempo para fazer a manutenção?.

Empresa em crescimento
O trabalho realizado tem projeção a nível nacional, sendo possível encontrar soluções em empresas como a Portucel, EDP, Galp e Repsol. No último ano registou um grande crescimento com o volume de negócios geral da empresa (Eneida em
Coimbra, Algarve e Matosinhos) a rondar os quatro milhões de
euros.

A internacionalização é uma preocupação dos responsáveis
com alguns mercados já identificados: Espanha, Países Nórdicos, África do Sul, Brasil e Emirados Árabes Unidos. Foi neste mercado e no Qatar, a convite do gabinete do primeiro ministro, que a Eneida participou na missão empresarial promovida pelo governo português em meados de Janeiro. ?É objetivo continuar a crescer
de forma saudável e sustentada, criando e incentivando o emprego?, conclui João Lopes.

Fonte: Diário de Coimbra, edição de 20-05-2011
 
Inserido em 23-05-2011
Temas relacionados <Geral>  <Incubadora>  <Notas de Imprensa