Painel Principal  :  Notícias (Histórico)  :  Universidade de C...
Notícias - Histórico
 
  Aceleradora  
  Formação   Geral   Incentivos   Incubadora   Notas de Imprensa   Prémios   Transf. Tecnologia e PI  
 
Universidade de Coimbra apresenta scooter eléctrica com zero emissões de CO2
 
Uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra apresentou nesta quarta-feira aquela que diz ser a primeira scooter eléctrica portuguesa, com zero de emissões de CO2 nas suas deslocações. Este veículo “amigo do ambiente” surgiu de um projecto académico que procurava encontrar "o melhor meio de deslocação, para uma mobilidade sustentável em contexto urbano”.

“A maior eficiência energética e a capacidade de fugir aos engarrafamentos determinaram que a scooter seria o veículo mais adequado” para as cidades, disse nesta quinta-feira ao PÚBLICO Ana Vaz, coordenadora do projecto, no Instituto de Sistemas e Robótica (ISR) da Universidade de Coimbra.

O novo veículo de duas rodas tem uma autonomia, em ciclo urbano, entre os 100 e os 140 quilómetros, graças às baterias LiFePO4. De acordo com a investigadora, estas são reconhecidas pela sua "alta densidade energética, ou seja, a quantidade de energia eléctrica que conseguem acumular, e a segurança na sua utilização”.

Ainda assim, o modelo de deslocação citadina desenvolvido no ISR não é para todos os bolsos. No entanto, a tecnologia de base utilizada é bastante flexível. Isto vai permitir configurar “pacotes” personalizados para diferentes tipos de utilizadores, ou seja, “com pequenas alterações é possível fabricar um veículo ainda mais equilibrado e acessível financeiramente”.

"Estamos a entrar numa nova cultura de mobilidade urbana, em que as duas rodas começam a ter mais eficiência, menos desperdícios energéticos e económicos. As grandes cidades europeias estão precisamente a apostar na promoção do uso dos veículos eléctricos de duas rodas", afirmou Ana Vaz.

No futuro, se a indústria manifestar interesse na comercialização deste novo veículo, “uma versão final estará pronta para entrar no mercado dentro de alguns meses”, salientou ainda a investigadora.

Fonte: http://ecosfera.publico.clix.pt, 12-07-2012
 
Inserido em 13-07-2012
Temas relacionados <Geral